quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Revela-se

Será você ainda capaz de perceber,
A linha tênue e fugaz que existe,
O faz de conta que persiste,
Entre aquilo que é e que finge ser?

O estandarte até onde irá suster?
A vida é refugo pra quem insiste,
Exibir um roteiro que nunca cumpriste,
E carrega apenas para se envaidecer;

E se há alguma verdade a proclamar,
Grito: as máscaras nem sempre caem,
Às vezes é preciso arrancar;

Se você, gauche, tanto tempo delongar,
Da cara lavada e relavada nunca mais saem,
E seu papelzinho fuleiro vai então enraizar!



Som da Vez: Encontro - Maria Gadú

4 comentários:

Léo disse...

Você tem talento, Lulu. Parabéns.

Angelo Machado disse...

vai virar rotina te elogiar?!neeim agora tb tenho que postar algoo !!

Lipe Arêdes disse...

Amei o soneto, Lu.

"A vida é refugo pra quem insiste."

Lindo! Lindo! Lindo!

Beijão

Luana Motti disse...

Obrigada, meninos! =)